Identificação


  • IK4-IDEKO desenvolveu o "Questionário da situação em Inteligência Competitiva", uma aplicação simples através da Internet para que as empresas possam avaliar o estado de la inteligência competitiva na sua organização.

    Ler mais

Actualmente, a tecnologia converteu-se num elemento estratégico para todas as organizações, já que a sua gestão resulta chave para a criação e consolidação de vantagens competitivas num mercado ou sector. Os processos de aquisição tecnológica são uma fonte de ideias essencial para a criatividade e a incorporação paulatina de oportunidades de inovação tecnológica na organização.

Existem diferentes modelos de gestão tecnológica e de inovação que se podem classificar segundo a fonte de inovação originária, a procedência da necessidade tecnológica, etc. Por exemplo, estes podem ser:

  • Closed innovation: a tecnologia emergente desenvolve-se integramente dentro da organização sem interferencia de outros agentes externos a esta.
  • Open innovation: a tecnologia desenvolve-se em colaboração com outros agentes externos à organização, abrindo processos e distribuindo benefícios do trabalho em rede entre todas as partes.
  • Technology-push: a organização tem a necessidade de levar ao mercado as suas inovações, fruto da actividade de investigação e desenvolvimento tecnológico que desenvolve.
  • Market-pull: é o mercado o que demanda inovações tecnológicas e a organização a que trabalha por dar resposta a estas com soluções inovadoras.

Também, o processo de aquisição de tecnologia pode gerar-se desde duas vertentes: por um lado, as procuras tecnológicas, através das que uma organização identifica aquela necessidade tecnológica que lhe poderia ajudar a resolver um problema tecnológico e emite uma pesquisa; por outro lado, as ofertas tecnológicas, mediante as que pesquisadores e generadores de conhecimento oferecem as suas capacidades e resultados de investigação para encontrar organizações onde se possam aplicar. Para procurar, priorizar, planificar, avaliar e tomar decisões de implementação destas ofertas e procuras tecnológicas existem múltiplas ferramentas de identificação e detecção de tecnologia.

A gestão de projectos inovadores é um passo fundamental na gestão da inovação de uma organização. O principal objectivo é assegurar que o projecto seja entregue de acordo com os parámetros definidos: alcance, tempo e custo. Estas características são extensíveis a qualquer projecto, com independência da sua natureza, no caso dos projectos tecnológicos e de inovação dão-se uma série de especificidades que os fazem peculiares e que se devem ter em conta durante a sua gestão.

É recomendável:

  • Desenvolver sistémicas para o planejamento e controle da execução de projectos de inovação.
  • Adquirir uma visão global dum projecto de inovação e conhecer as diferenças e afinidades com outro tipo de projectos.
  • Obter informação sobre ferramentas disponíveis para o planejamento e controle de projectos de inovação.
  • Coordenar os projectos de inovação de forma paralela a outros projectos da empresa.
  • Dispor de "boas práticas" aplicáveis à gestão da inovação na empresa.

Desde uma perspectiva geral, as fases dum projecto de I&D abarcam:

  • Identificação e análise de problemas e oportunidades.
  • Análise e selecção de ideias de I&D
  • Planejamento, seguimento e controle de carteira de projectos.
  • Transferência de tecnologia.
  • Protecção da prioridade.

São numerosas as ferramentas e recursos de gestão de projectos de I&D que se encontram na net.

A Certificação de atividades de Investigação, Desenvolvimento tecnológico e inovação é um instrumento de gestão da qualidade que permite a uma organização identificar de maneira contínua oportunidades de melhora para a inovação continua. Na prática, um sistema de gestão da qualidade define-se como "uma estrutura operacional de trabalho, bem documentada e integrada aos procedimentos técnicos e gerenciales, para guiar as acções da força de trabalho, a maquinaria ou equipas, e a informação da organização de maneira prática e coordenada e que assegure a satisfação do cliente e baixos custos para a qualidade" (Fonte).

Existem diferentes organismos e instituições responsáveis de desenhar sistemas de acreditación , certificación e normalização de processos de I+D+i segundo o país e sector de actividade. No Espanha, por exemplo, a Associação Espanhola de Normalização e Certificação, AENOR, é o organismo responsável deste labor. Seu catálogo de certificación de projectos de I+D+i permite sistematizar as actividades de investigação, desenvolvimento e inovação e beneficiar-se de importantes benificios fiscais, reduzir a incerteza e os riscos e aumentar a eficiência na gestão para uma empresa ou organização. Está composto por:

A auditoria tecnológica é um instrumento útil para analisar o património tecnológico duma organização. Consiste em analisar a tecnologia que uma organização está a usar numa atividade específica e a comparação com o estado da técnica a nível geográfico que se defina (regional, nacional ou internacional).

No seu processo de elaboração, a auditoria tecnológica deve:

  • Identificar o potencial tecnológico da organização.
  • Priorizar as necessidades e orientar os investimentos.
  • Aproveitar as fortalezas detectadas e corrigir as debilidades.
  • Definir que condições se devem cumprir e daí que tecnologia se precisa para ser competitivos.
  • Identificar quando se deve adquirir tecnologia.
  • Contribuir com informação a respeito de protecção da propriedade industrial.

Mais informação: EENBASQUE

A análise da carteira ou porta-fólio tecnológico é um instrumento estratégico que ajuda a seleccionar e priorizar projectos e/ou inovações tecnológicas de interesse para a organização. Este deve começar por identificar os produtos ou sistemas tecnológicos básicos, centrais e derivados da organização, prestando especial enfase em elementos como: o risco, o investimento, as capacidades e os benefícios.

A análise de porta-fólio tecnológico tem duas dimensões principais: a posição tecnológica da organização e a relevancia da tecnologia.

A posição tecnológica da organização depende de factores estruturais, como são:

  • Patentes.
  • Licenças.
  • Tempos de desenvolvimento.
  • Pessoal para desenvolvimento.
  • Orçamento para I&D.

A relevancia da tecnologia está determinada por factores como:

  • Amplitude de aplicação.
  • Velocidade de aceitação.
  • Potencial de desenvolvimento.
  • Aplicação em outros mercados, indústrias.
  • Aceitação social e ambiental.

Mais informação: "Desempeño organizacional". Mariano Bernández (Pág. 131-132)

Em todos os processos de planejamento estratégico se evaluam diferentes alternativas de atuação para seleccionar com critério a mais pertinente. A matriz de decisãoé uma ferramenta estratégica para tal fim, que nos permite seleccionar de maneira ponderada a alternativa que obtém um maior valor entre as opções comparadas. Geralmente o seu resultado visualiza-se através de gráficos e tabelas.

Mais informação:: AVANZA UCA

Um roadmaps tecnológico é uma ferramenta que permite analisar as mudanças e desenvolvimentos de novas tecnologias e as demandas dos mercados futuros para poder estabelecer as estratégias mais adequadas para conseguir um objectivo tecnológico previamente definido. Como resultado do processo, através de gráficos permite visualizar as diferentes dimensões duma estratégia, ajudando a analisar: onde se está, a onde se quer ir, os reptos e barreiras que há para chegar e as soluções que se devem tomar para chegar.

Mais informação: EENBASQUE

O roadmapping, também denominado roteiro tecnológico, é um instrumento muito útil para definir a estratégia de inovação numa organização. O seu resultado ajuda a representar no tempo (a curto e longo prazo) a evolução de parâmetros relevantes no momento de desenhar processos de planeamento estratégico, como são: o mercado, o modelo de negócio, os produtos, os serviços, a tecnologia e os recursos disponíveis.

As técnicas de roadmapping ajudam a construir uma visão comum da estratégia de inovação compartilhada pelas diferentes pessoas que, desde diferentes perspetivas, compartilham um interesse específico na mesma e participam ativamente no processo de reflexão.

Mais informação: "Roadmapping: Una herramienta para definir estrategias de I+D+i de éxito". INNOBASQUE, 2011.

A gestão estratégica de a informação científico-tecnológica resulta cada vez mais importante para inovar e sobreviver num meio complexo e cambiante como o atual. Assim, a vigilância tecnológica é uma ferramenta essencial para detectar oportunidades de inovação tecnológica e novas ideias que facilitem uma melhora de processos, produtos e serviços na organização.

Em 2006 publica-se a Norma UNE 1666006:2006 EX, que define o processo de vigilância tecnológica como uma forma “organizada, selectiva e permanente de captar informação do exterior sobre tecnologia, a analisar e a converter em conhecimento para a tomada de decisões com menor risco e poder antecipar-se às mudanças”. Uma meta que converte a esta numa guia para sistematizar práticas, criar unidades de vigilância tecnológica em organizações e permitir a sua certificação.

As patentes são uma das principais fontes de informação na prática daVigilância Tecnológica, 70% da literatura sobre tecnologia faz-se através de patentes. Estas proporcionam à organização uma informação relevante, detalhada e anticipatoria sobre o aparecimento de novos produtos ou tecnologias no mercado. Além disso, são documentos normalizados a nível internacional.

Mais informação: Vigilância Tecnológica

As análises de mercado, também denominados estudos de mercado ou investigação de mercado, são um instrumento estratégico para conseguir informação relevante que ajude a estimar o desenvolvimento potencial de uma tecnologia no seu mercado. Assim, têm que contribuir com informação actualizada e comparativa sobre aspectos como: descrição detalhada do produto e peculiaridades, investigação do meio e mercado potencial, legislação vigente, concorrência e produtos substitutivos, necessidades dos consumidores, análises da procura e da oferta, estimação do preço ou valor no mercado, margem comercial, possíveis canais de comercialização e distribuição bem como identificação de possíveis sócios e alianças estratégicas de interesse.

Existem múltiplas metodologías para elaborar uma análise de mercado, todas compartilham uma série de passos básicos que são:

  1. Identificação do problema.
  2. Estabelecer os objectivos.
  3. Procurar fontes de informação.
  4. Desenhar a forma de colectar os dados.
  5. Determinar qual é o grupo que interessa estudar.
  6. Selecção e preparação de instrumentos.
  7. Análise de dados.
  8. Apresentação de resultados e conclusões.